Como escolher a ração certa para seu pet – Minassal

Para quem já cuida de um amigo de quatro patas há algum tempo, pode ser mais fácil saber qual ração escolher para o pet. Mas para os tutores de primeira viagem, a simples tarefa de comprar o alimento pode ser um grande desafio.

Para ajudar na decisão correta, trouxemos neste conteúdo alguns pontos importantes a serem levados em consideração antes de escolher a ração e dicas para garantir a melhor nutrição para o seu peludinho. Confira!

Dicas práticas para escolher a ração do pet

Idade

Quem já passou pela experiência de adotar um filhote, sabe como os peludinhos podem comer bastante. Da mesma forma tutores de cães idosos percebem a redução do apetite com o passar do tempo. Isso acontece porque cada fase da vida do animal demanda uma quantidade diferente de nutrientes.

Os pets que estão em fase de crescimento, ou possuem uma rotina mais agitada e queimam bastante energia, tendem a comer mais. Já os peludinhos idosos não têm tanta disposição para brincadeiras e queimam menos energia, demandando uma quantidade menor de alimento.

Se seu pet se alimenta exclusivamente da ração, a melhor opção é procurar o tipo de ração específico para sua idade / fase da vida.

A ração de filhote possui a quantidade equilibrada de nutrientes que o pet precisa para manter o crescimento saudável, já a ração para os pets idosos possuem propriedades que auxiliam na reposição de nutrientes que são perdidos e dão mais disposição, retardando os efeitos do envelhecimento.

Os filhotes devem consumir a ração própria para esta etapa geralmente até os 12 meses de idade. Entre os 12 meses e os 7 anos, os pets podem consumir a ração de adulto e, após esse período, é recomendada a introdução da ração sênior.

Porte

Assim como a necessidade nutricional dos pets são de acordo com a idade, o porte também influencia muito no tipo de ração a ser escolhida. Isso porque animais maiores precisam de uma quantidade maior de nutrientes e queimam mais energia executando as mesmas atividades que os menores.

Se você ainda tem dúvidas sobre como saber qual a quantidade de ração ideal para seu pet, temos um conteúdo explicando como calcular e o que levar em consideração. Mas mesmo acertando na quantidade, é o tipo de ração que vai definir a concentração de nutrientes.

Por exemplo, alguns tutores que já possuem pets adultos e adotam um filhote, tendem a alimentá-lo com a mesma ração dos demais. Mesmo que o filhote consuma a quantidade ideal, de acordo com seu porte e idade, a ração não fornecerá todos os nutrientes que ele precisa para um crescimento saudável.

O mesmo acontece com os peludinhos idosos ao se alimentar da ração para animais adultos. A quantidade pode até estar correta, mas alguns nutrientes necessários para reduzir os reflexos do envelhecimento serão excluídos da alimentação. O excesso de calorias também será um problema nesse caso, uma vez que os pets idosos passam menos tempo em movimento.

Quadro clínico

Nessa etapa o tutor deverá contar com a orientação de um médico veterinário, afinal as dicas acima são para pets com a saúde em perfeito estado. Mas mesmo que estejam saudáveis, cada peludinho apresenta particularidades que devem ser levadas em consideração.

É através da alimentação correta que o pet terá energia e disposição para brincar, se desenvolver e até mesmo manter uma boa imunidade contra doenças.

Alguns pets apresentam distúrbios que podem ser tratados com uma alimentação balanceada, ou demandam uma ingestão maior de vitaminas e proteínas. Pets que apresentam doenças crônicas podem necessitar de ração especial desde pequenos, porém existem casos de pets que necessitam da adaptação da ração durante a vida adulta, como aqueles que foram castrados, por exemplo.

A administração incorreta da ração pode trazer sérios prejuízos para a saúde de seu amiguinho, por este motivo não deixe de visitar o veterinário e realizar todos os exames necessários.

Hábitos

Os hábitos dos animais determinam também qual o tipo ideal de ração. Eles fazem exercícios com frequência? Possuem alguma limitação que influencie diretamente na rotina? Consomem apenas ração ou adoram um petisco de vez em quando? Necessitam de algum suplemento vitamínico? E por aí vai…

Como citado no item anterior, os pets castrados podem ficar mais preguiçosos com o passar do tempo e, por isso, evitarem alguns tipos de brincadeiras e exercícios físicos. É nesse ponto que a ração deve ser reavaliada. Se o pet passa a gastar menos energia, o consumo de alimentos deve ser equilibrado.

O mesmo acontece com os peludinhos ligados no 220V e que precisam de energia para todo o cronograma de brincadeiras que planejaram para o dia.

O veterinário é o profissional indicado para orientar sobre a troca de ração ou suplementação vitamínica.

Gostou do nosso conteúdo sobre como escolher a ração certa para seu pet? Leia também: Qual a quantidade certa de ração para o seu pet?

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.