Estímulos para uma boa saúde mental do pet – Minassal Distribuidora

boa saúde mental do pet

Já falamos aqui no blog sobre a importância de garantir a alimentação correta e a prática frequente de exercícios físicos, com o objetivo de promover a saúde e bem-estar físico e mental do pet. Mas você sabia que existem outros estímulos naturais que podem melhorar a qualidade de vida do seu peludinho e contribuir para a boa saúde mental?

Neste conteúdo falaremos um pouco mais sobre a saúde mental dos pets, e mudanças na rotina e nos hábitos, que podem auxiliar na garantia do bem estar dos pets e contribuir para uma vida mais feliz e saudável. Confira!

Transtornos mentais em animais: como manter a boa saúde mental do pet?

Estudos indicam que a maioria dos transtornos mentais que acometem humanos e pets tem origem e reflexos diferentes. Um dos exemplos é a depressão, um distúrbio mental que pode acometer tanto humanos quanto os pets, mas que apresentam origens e sintomas diferentes em cada caso.

De acordo com Mauro Lantzman, veterinário especialista em comportamento animal, em sua entrevista para a Veja Saúde: “Quando o animal fica doente, a depressão é necessária para deixá-lo mais quieto, menos vulnerável. Também é acionada para problemas que, cognitivamente, ele não consegue resolver”.

Por isso, a depressão em pets não é considerada um transtorno mental, mas está mais próxima de um mecanismo de defesa natural do corpo. Outros problemas de saúde, como a Síndrome de Ansiedade Canina, por exemplo, podem apresentar sintomas semelhantes aos enfrentados pelos humanos, mas tanto o diagnóstico quanto o tratamento devem ser feitos de acordo com as particularidades de cada espécie.

Os tutores geralmente percebem que os pets estão sofrendo com algum tipo de distúrbio mental quando há mudanças perceptíveis no comportamento. A falta de apetite, desânimo ou o mau comportamento são um dos primeiros sinais de que algo está errado.

Nestes casos, o melhor a fazer é agendar uma consulta o mais rápido possível com um médico veterinário de confiança. Afinal, mudanças repentinas de comportamento indicam que algo não está bem com a saúde do peludinho e, quando antes for feito o diagnóstico, maiores serão as chances de sucesso do tratamento.

Dicas para estimular a boa saúde mental do pet

boa saúde mental do pet

1. Atividades físicas

Assim como é para os humanos, a prática de atividades físicas é um dos hábitos diários que mais contribui para a qualidade de vida e equilíbrio da saúde mental. Isso porque a atividade física é responsável por auxiliar na liberação de hormônios e neurotransmissores que trazem sensação de felicidade e satisfação.

O ideal é que os tutores tenham um cronograma de atividades definido para que o pet possa se exercitar com frequência, mesmo que seja durante os passeios ou nas brincadeiras em casa. O importante é garantir que o peludinho esteja em movimento e gaste as calorias acumuladas com a alimentação.

2. Alimentação balanceada

Já ouviu aquela expressão: “você é aquilo que você come”? Pois bem, isso não vale apenas para os humanos. A alimentação correta tem um papel essencial na manutenção da saúde dos pets e contribui diretamente para o desenvolvimento e aumento da imunidade, auxilia na recuperação de doenças e pode até mesmo influenciar no humor e saúde mental do pet.

Por isso é imprescindível que o tutor garanta uma alimentação regrada, balanceada e muito nutritiva aos peludinhos, de preferência com o auxílio de um médico veterinário. Alguns tipos de alimentos podem desencadear distúrbios físicos e mentais nos animais, assim como melhorar o desempenho em algumas tarefas, reforçar as defesas do organismo e dar energia.

Se o pet sofre de síndrome de ansiedade canina, por exemplo, alguns tipos de legumes e vegetais podem ajudar com a redução dos sintomas e no tratamento natural.

Oferecer os petiscos preferidos do pet também pode ajudar a estreitar o vínculo de confiança e amizade entre o peludinho e o tutor. Os petiscos também funcionam como uma forma de reforço positivo, experimente oferecer um petisco cada vez que o pet completar alguma tarefa corretamente e perceba que ele parecerá bem mais satisfeito consigo mesmo.

3. Momento de diversão

Os pets, em especial os cachorros, em sua grande maioria são muito sociáveis. Eles gostam de receber atenção e carinho de seus tutores, saber que são notados e recompensados pelas suas boas atitudes e, principalmente, adoram brincar e se divertir.

Longos períodos sem qualquer tipo de atividade diferente podem deixar os pets entediados e até mesmo ansiosos, o que desencadeia sintomas que acometem tanto o estado físico quanto mental, abrindo espaço para o desenvolvimento de várias doenças.

Os tutores devem então planejar brincadeiras que envolvam interação entre a família e os peludinhos, ofertar brinquedos que sejam seguros e auxiliem no desenvolvimento físico e mental dos pets, incentivar a socialização com outros animais de forma segura (o parque pode ser uma ótima opção de lugar para fazer amigos) e tornar a rotina dos pets desafiadora, no bom sentido, fazendo com que ele busque por soluções para pequenos problemas (como a ração presa dentro da garrafa pet) e estimule a ação.

Gostou de nossas dicas? Leia também: Você sabe o que é massoterapia canina?